Destaques

ANDAMENTO DAS AÇÕES

Numerosas ações foram realizadas em 2017, a fim de para otimizar o processo de realização Indicação geográfica Entre eles, reuniões com produtores e Ministério da Agricultura, Pecuária e Fornecimento.
Consciente da importância e potencial de região, outros parceiros foram adicionados ao projeto, com ênfase nos recursos financeiros do Governo do Estado em colaboração com a Câmara Municipal para o
desenvolvimento do projeto.
Além disso, ações de estruturação de mercado já estão sendo desenvolvidos para aumentar a credibilidade e visibilidade do café na região.

Realizada na sede do Palácio de los Bandeirantes (SP-BR) do atual Governo do Estado, em conjunto com
Associação de Produtores, Prefeitura Municipal de Garça, Sebrae-SP Marília, Coordenação da Assistência Técnica Integral do Estado de São Paulo, para enfrentar o recursos para o desenvolvimento do projeto de Indicação Geográfica da região Garça / SP.

INDICAÇÃO GEOGRÁFICA

Definição

A Indicação Geográfica (IG) é usada para identificar a origem de produtos ou serviços quando o local é conhecido ou quando uma determinada característica ou qualidade do produto ou serviço é devido à sua origem. No Brasil, ela tem duas modalidades:

Denominação de Origem (DO) e Indicação de Procedência (IP).

Em Garça, o reconhecimento através do IG fortalece a cultura e melhora as condições de mercado do produto, esfriando pela qualidade da bebida.

SENTINELA DO PLANALTO

Garça é um município do estado brasileiro de São Paulo. Tem 44.557 habitantes, em 2016, de acordo com o IBGE, distribuído por uma área de 556 quilômetros quadrados. Garça é conhecida por suas plantações de café.

Fundada em 4 de outubro de 1924 (92 anos). Foi um dos municípios que faz parte do ciclo do café no início do século XIX.

A instalação como município ocorreu em 5 de maio de 1929. Inicialmente, o município foi nomeado como Incas e mais tarde Italina, finalmente recebendo o nome de Garça devido a um fluxo que atravessou o futuro município.

No ponto mais alto do Planalto Ocidental do Estado de São Paulo, conhecido como “Sentinela do Planalto”, a altitude média é de 663,2 metros, uma temperatura máxima de 28,5 ºC e um mínimo de 17,8ºC, caracterizando uma região favorável para a cafeicultura.

A região tem cerca de 12 mil hectares dedicados ao cultivo do café, com uma produção total de 17.550 toneladas (fonte IBGE 2015).

A produção de café, no entanto, começou antes da constituição do município, onde, em meados de 1926, a atividade foi desenvolvida pelas fazendas tradicionais, iniciando um longo dia.

Fonte: IBGE, Produção Agrícola Municipal 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.